Abril 4, 2018

A evolução da tipografia ao longo dos anos

Dentro do design, é comum falarmos muito das formas, das cores e da fotografia como elementos principais. Outro elemento que não podemos deixar de lado, e que trazem mais personalidade ao material do que se imagina é a tipografia.

A tipografia existe na história da humanidade em diversas formas. É considerado Tipografia a arte e a técnica de organizar os tipos (caracteres ou símbolos de um alfabeto) de forma legível, com boa leiturabilidade e atraente para o receptor da mensagem. Isso envolve uma série de fatores, como o estilo do tipo, o tamanho, o peso, o espaçamento, o entrelinhamento, as cores, entre outros.

O designer gráfico Ben Barrett-Forrest, do Forrest Media, fez um vídeo incrível sobre a história da tipografia. Assista abaixo (em inglês):

Até o século XX, a tipografia era bastante monótona. Somente com o advento da publicidade que o design (incluindo a tipografia) começou a evoluir drasticamente. Nós fizemos um apanhado de algumas das mudanças dentro da tipografia desde o século XX até os dias de hoje. Confira!

1920-1930

O estilo ilustrativo da década de 20, a influência da Art Noveau e da Art Deco foram importantes para a transição das tradicionais fontes serifadas da tipografia para o estilo mais bold e geométrico. A economia pós-guerra, principalmente nos EUA, que serviriam de referência para o resto do mundo, levaram designers a experimentarem estilos criativos e coloridos de tipografia, com fontes cheias de personalidade. A fonte Belgrad, Romantiques e Hand Shop C30 são algumas fontes que ilustram bem o sentimento da época.

1930-1940

O começo do período ainda possuía influências diretas da década anterior, mas o panorama político estava bem mais caótico. As vias de uma segunda guerra mundial, a grande depressão assolando os EUA, a tipografia tomou uma posição mais conservadora dentro do design. As fontes Carrington, Airstream e Betty Noir foram algumas das fontes utilizadas no período.

1940-1950

A década de 40 foi um período de transição para a tipografia. As fontes perderam o seu lado suave e engraçado e deram espaço para fontes pesadas, góticas e romanas. Um representante dessa época foi o tipógrafo Rudo Spenman. O uso elaborado do espaço em branco, o formato diferenciado das fontes e o uso frequente de cores sólidas são características que viraram tendências em épocas subsequentes.

1950-1960

Duas coisas configuram os anos 50 na tipografia – fontes cursivas e HELVETICA. A fonte queridinha pelos designers e utilizada pelo mundo inteiro foi criada na década de 50, pelo tipógrafo suíço Eduard Hoffman. A fonte do tipo grotesca ganhou espaço como a principal fonte sans-serif por seu desenho neutro e legível, e inspirou fontes como Arial e a mais recente Univers.

1960-1970

Após a revolução dos anos 50, a tipografia começou a experimentar com outros formatos e desenhos, tornando-se mais diversificada. A sua relevância dentro do design também cresceu, sendo utilizada para transmitir mensagens fortes, sem imagens. Os estilos utilizados variam entre fontes como Veron e Mermaid.

1970-1980

A era New Age foi extremamente influente na tipografia da época. Fontes fantasia psicodélicas como Go Soul e Advert, inspiradas pelo movimento hippie da década de 60 são bem representativas do período, e inspiraram o estilo old school utilizado até os dias de hoje.

1980-1990

O surgimento dos computadores, a popularização de jogos como Pac-Man e de filmes de terror trash tiveram um impacto muito grande na tipografia da época. Matthew Carter virou o designer da década, desenvolvendo fontes para computadores. Atualmente criando peças tanto para a Apple quanto para a Microsoft, o típografo é o criador original das fontes Georgia e Verdana, duas fontes extremamente populares nos computadores.

1990-2000

Se na década anterior os computadores estavam começando a ganhar espaço, a década de 90 viu a sua consolidação com o surgimento da internet. As fontes mais populares hoje em dia surgiram nessa época, como a amada e odiada Comic Sans e a elegante Bebas. Os softwares de desenvolvimento tipográfico possibilitaram uma maior diversidade de fontes no mercado, com desenhos mais simétricos e calculados.

2000-2010

A tipografia dos anos 2000 é extremamente diversa, mas um consenso entre os designers era de que você não deveria mais utilizar Comic Sans, existem fontes caligráficas melhores. Também vimos o retorno da serifa como tendência para as peças e criações, dominando o mundo dos blogs. O período se mistura com as tendências da nossa década atual, sendo mais difícil separar a variedade existente na web. O estilo futurístico de algumas fontes inspiram os anos seguintes.

2010-Hoje

Como qualquer tendência, seja na moda, no Design, na arte, ou em qualquer setor, as tendências da tipografia vêm e vão. Elas utilizam referências anteriores, evoluem e ganham força. Na década atual não poderia ser diferente, mas é importante percebermos como as tendências deixam de ser relevantes e dão espaço à variedade.

Acredito que não existem mais tendências tipográficas. Se elas existem, não consigo identificá-las. Dependendo de quem você segue nas mídias sociais, designers, artistas de lettering, tipógrafos ou grafiteiros, você verá que existem diversas tendências que coexistem simultaneamente.

Anthony Burril – Designer e Tipógrafo.

Você gosta dos artigos da Mercurio? Não deixe de seguir a nossa página no Facebook! Ative as notificações e não perca nenhum conteúdo.